Curitiba / PR - quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Principal

Seja bem-vindo(a) a este site

 

Este site foi criado para pacientes e todas as pessoas que queiram obter informações seguras sobre Reprodução Humana, Planejamento Familiar e saúde em geral.

Desenvolvido para promover a saúde, oferece conteúdo fidedigno, correto e de alta qualidade, protegendo a privacidade dos pacientes e respeitando as normas regulamentadoras do exercício ético-profissional da medicina e nunca descartando a necessidade da consulta para o tratamento e o esclarecimento de dúvidas.

 

 

REPRODUÇÃO HUMANA

 

Em condições normais, um casal tem a chance de cerca de  20% de engravidar ao mês, quando não está em uso de contraceptivos e mantém relações sexuais regulares. Estima-se que em 1ano de tentativas, 85-90% destes casais engravidam.

 

Porém, vários estudos demonstraram que houve um declínio global da fertilidade, principalmente entre as mulheres com mais de 35anos de idade.

 

A infertilidade acomete cerca de 14% dos casais. O homem participa como fator causal, isolado ou associado, em metade dos casos.

 

Apesar da infertilidade não ser um problema físico evidente ou ameaçar a vida do indivíduo, está relacionada com problemas emocionais, psíquicos e sociais, pois o ato de procriar e constituir uma família é um dos maiores desejos do ser humano.

 

 

PLANEJAMENTO FAMILIAR

 

Considerando que:

 

* É notória a mudança no comportamento reprodutivo da mulher, que postergou o desejo de ser mãe em favor da vida profissional, aumentando o risco de aparecimentos de doenças que podem dimuinuir a fertilidade além da redução da reserva ovariana que naturalmente ocorre com o avançar da idade.

 

* A sobrevida de crianças, adolescentes e mulheres em idade reprodutiva com câncer aumentou notavelmente nos últimos anos. Nas mulheres, tanto a quimio quanto a radioterapia podem reduzir a função ovariana e levar ao declínio da fertilidade.

* Outro fator importante é a mudança comportamental da sociedade, com o surgimento de novos casais, muitas vezes já submetidos à esterilização (laqueadura tubárea ou vasectomia) durante relacionamentos anteriores.

Faz-se necessário uma aberta discussão de meios para preservação da fertilidade bem como contracepção responsável.